• entrada site 2016
  • nmplenario
  • plenarioNM
Sexta, 04 Agosto 2017 16:06

Evitamos mais uma crise política e paralisia econômica do país

                Manter o presidente da República, Michel Temer,  no poder foi um ato de coragem da Câmara dos Deputados. A decisão exigiu serenidade dos parlamentares que votaram pela permanência da estabilidade política. Há um ano, o Brasil parou para enfrentar o impeachment da presidente Dilma Roussef. O processo levou oito meses, nada se votou no Congresso Nacional nesse período. A crise política provocou paralisia política e econômica como resultado  tivemos elevação do desemprego, desconfiança de investidores, empresas deixaram de investir. O país enfrentou a pior recessão de sua história recente.

                Antes de decidir pela permanência do presidente, analisei o cenário futuro, conversei com prefeitos e consultei a minha base. Percebi que seria prejudicial para a nação brasileira a  troca presidencial neste momento em que  o país começa a respirar os ares da recuperação econômica. Reformas importantes foram votadas, ainda precisamos avançar em outras como as reformas política e fiscal tão fundamentais quanto as já aprovadas.

                Se a Câmara continuasse com a pauta de troca-troca de presidente, não conseguiria discutir mais nada. Toda atenção seria para trabalhar em cima de novas  eleições, não haveria clima e nem condições políticas para enfrentar as reformas necessárias para colocar o Brasil nos trilhos certos do desenvolvimento.

                Não inocentamos o presidente das acusações de corrupção! Se são verdadeiras, Temer terá de responder por elas e se defender como é direito de todo cidadão. Preservarmos  a Presidência da República enquanto instituição para que não haja mais paralisia na administração federal. Paralisia que se estenderia aos estados e às prefeituras municipais prejudicando a liberação de recursos e a implementação de políticas públicas. O Brasil não suporta mais recessão, desemprego, queda de arrecadação e desorganização no poder executivo.

índiceaíndice

                O meu voto levou em conta esse cenário precário. Teríamos disputas e milhões de brasileiros sentiriam no bolso a consequência desse processo demorado.  Cabe ao parlamentar a responsabilidade com os eleitores de seu estado em particular. Aos meus eu peço a confiança em nossa experiência política  de saber a hora de avançar e a hora de retroceder. São 7 mandatos, 28 anos de serviços públicos prestados à nação e ao estado de São Paulo, confiem que a decisão de votar sim foi o melhor para o país. 

Deputado Federal Nelson Marquezelli

Facebook